quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Estudos em aquarela

 Pintura acima feita sobre um desenho do mestre Lydio Bandeira de Mello.

 

terça-feira, 12 de novembro de 2013

IV Encontro Nacional de Ilustradores Científicos

Dos dias 4 a 7 de novembro ocorreu o IV Encontro Nacional de Ilustradores Científicos no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Eu que sou ilustrador da área de cartum e literatura infantojuvenil, me inscrevi no evento por curiosidade e interesse em conhecer mais sobre essa área tão especializada, pois até então conhecia bem pouco, primeiramente através de minha irmã, que pratica ilustração botânica. Além do mais, desde pequeno curtia as ilustrações dos livros que nossa mãe, professora de Ciências, utilizava para trabalhar, especialmente as ilustrações de animais.

  Abertura do evento no Espaço Tom Jobim.

Achei curioso que, pela minha estimativa pessoal, a maioria dos inscritos no evento era composto de senhoras da faixa etária de 50 a 70 anos e a área especializada dominante era justamente a ilustração botânica. Dentre as atividades do evento, estavam seminários, debates, exposições, mostras de portfolio e os minicursos, estes últimos ocorreram no Instituto Nacional de Botânica Tropical, situado no Solar da Imperatriz, no Horto. Me inscrevi no minicurso de Ilustração Ictiológica, ministrado pelo ilustrador português Pedro Salgado, um mestre! Com formação em Biologia e especialização em Ictiologia, que é o estudo dos peixes, tornou-se ilustrador com excelentes trabalhos em aguarela e tinta da china (aquarela e nanquim em português de Portugal).

                              Um vídeo por volta de 20 anos atrás em que Pedro Salgado está desenhando a bico de pena...  

                                                   ... escama por escama...

                                                   ... de um peixe chamado celacanto.

As aulas foram bem divertidas em uma parte graças ao seu carisma e em outra parte graças ao seu sotaque. O curso rendeu bastante, mesmo não havendo tempo de nós alunos desenharmos nada, pois foi predominantemente conceituação e explicação do formato dos peixes, o que as espécies têm em comum e o que cada uma tem de único, além do professor ter demonstrado seu método de trabalho de maneira bem didática e, apesar de oriundo das Ciências Exatas e Biológicas, demonstrou um respeito pela Arte e pelo Design que não vejo normalmente em seus pares, o que me surpreendeu positivamente, pois ele ressaltou que essas áreas são essenciais na melhoria da divulgação científica, principalmente para o grande público.

O peixe da fotografia na mesa é uma tainha. O desenho em primeiro plano é a reprodução do  mesmo desenho de celacanto que foi visto pelos alunos sendo feito no vídeo .

           As várias etapas de produção de uma ilustração de peixe: fotografias, esboços, layouts em transparências, fotocópias...


                                                   ... desenhos, desenhos, mais desenhos...

              ... até acertar o que se está buscando na ilustração. Pedro disse que, como esse processo dura várias horas de trabalho e pesquisa, dependendo do caso uma ilustração de um único peixe chega a levar em média um mês para ser trabalhada, desde o início da pesquisa até a arte-finalização!

                                                   Demonstração de uso do bico de pena com nanquim.

Ao fim do curso, manipulou alguns peixes fornecidos pela organização, mostrando como funciona a anatomia deles. Aproveitei esse momento para desenhar ao vivo, pelo menos algum desenhos de peixe consegui fazer!

                                                   Pedro segurando uma tilápia.

Em primeiro plano, o desenho a bico de pena de um robalo português. Pedro explicou que é um robalo diferente do exemplar que estava no isopor, pois os portugueses ao chegarem pela primeira vez ao Brasil deram os mesmos nomes de espécies por eles já conhecidas a peixes similares que povoam o litoral brasileiro. Por isso ocorre certa confusão com nomes de peixes como sardinha, robalo, etc. encontrados no litoral português com os peixes de mesmo nome encontrados no litoral brasileiro.

                                                                O cheiro forte já estava presente...

 
                                                                 E ainda teve gente que anotou muito mais!

Por fim, houve o concerto de encerramento no Espaço Tom Jobim (com esse nome, onde mais?), com apresentações do duo Leandro Gregório e Hélida Lisboa, o Coro de Câmara Juvenil da Escola de Música Villa-Lobos e a magistral harpista Cristina Braga acompanhada do contrabaixista Ricardo Medeiros. Naquele palco, vi, ao vivo, a que seria o equivalente da harpa ao Jimi Hendrix na guitarra. Só faltou mesmo tacar fogo no instrumento, pois a harpista estava em chamas!

Dependendo da peça a ser tocada alguns garotos do coro ocasionalmente se deslocavam ao longo da apresentação para tocar instrumentos e depois voltavam.

Eventos assim são ótimos também para conhecer pessoas novas. Fiz contatos com pessoas de diversas áreas científicas e artísticas, tanto do Rio de Janeiro quanto de outros estados, além de reencontrar alguns conhecidos. O próximo ENIC será em Belém, em 2015.
Após o término do evento, a partir da sexta dia 8 houve excursões opcionais para vários locais da cidade e do estado do Rio. Escolhi a visita guiada ao Jardim Botânico, onde pude aprender mais sobre determinadas espécies de vegetais com as explicações do biólogo Marcus Nadruz, a quem eu já conhecia pois foi palestrante na II Semana de Ilustração da EBA em 2006, quando o tema foi Ilustração Científica.

                                         Um jacu e uma palmeira jovem, foi o que deu para desenhar durante a visita.

Saí do evento bastante empolgado em querer saber mais sobre essa área, especialmente sobre a ilustração zoológica. Como escrevi lá em cima, os livros de biologia de minha mãe me fascinavam quando criança graça às ilustrações de animais, especialmente insetos. E eis que, depois de um evento chuvoso, naquela mesma sexta calorenta me deparo em casa com uma tanajura já sem asas. Rapidamente a prendi e saquei um pequeno aquário desativado que tenho guardado e montei-o com terra para criar um formigueiro, me baseando nas dicas de uma revista de uma antiga coleção que tenho sobre insetos lançada pela editora Globo nos anos 90, Minimostros!, além de buscar mais subsídios na Internet. Foi legal observar como uma futura rainha - saúva, concluí nas minhas pesquisas - montava seu ninho para uma futura colônia, cavando um buraco na terra.

Baseando-me na metodologia ensinada no minicurso, fotografei e desenhei o espécime e também me baseei em referências de outras ilustrações científicas de formigas. Esse processo é fundamental caso eu queira depois fazer uma arte final de ilustração científica da formiga.

Mas infelizmente ela não durou muito tempo: fatores como calor e umidade de alguma forma afetaram sua saúde e ela não sobreviveu... ou seja, lá se vai a futura colônia... pelo menos pude observá-la e desenhá-la bastante enquanto viva. Ela "deu sua vida pela Ciência" como diria Pedro Salgado sobre os peixes que utiliza como modelos.
E eu brincava durante o evento que, vendo que muitos ilustradores científicos eram cientistas de formação que praticavam Arte, eu ao contrário estava lá como um artista que passou a se interessar em praticar Ciência...

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Design na Praça - Batalha de Ilustradores

Essa semana na quarta-feira dia 23 de outubro ocorreu na praça Cacilda Becker (mais conhecida como "quadrado da Urca") o Design na Praça, evento paralelo da Semana de Design do O GLOBO. Participei desse evento em uma atividade chamada Batalha de Ilustradores, em que duplas de ilustradores desenharam e pintaram ao vivo um em cima do desenho do outro e vice-versa, no improviso, cada um desenhando em um cavalete por um período curto de tempo. Fizeram parte comigo dessa atividade os ilustradores Isabella Amaral, João Bives Burle, Marcelo Zissu e Rafo Castro, com mediação da designer e ilustradora Vivian França, além de um bate-papo com o grande cartunista da geração Pasquim, Claudius.





A princípio cada ilustrador tinha dois turnos alternados de cinco minutos cada para desenhar, mas com o passar do tempo decidimos com a mediadora encurtar para um minuto cada, tornando a proposta mais desafiadora e emocionante. Algumas crianças que estavam assistindo também participaram da atividade, tendo um cavalete só para elas. Ocasionalmente alguns dos ilustradores desenhavam em dupla com uma das crianças, gerando imagens bem criativas.







Nos momentos em que eu ficava na de fora aproveitava para desenhar no caderno. Depois de concluída a atividade, ainda aproveitei para desenhar o grupo musical que estava se apresentando durante todo o evento, o Urca Bossa Jazz e Beligerantes.




Meus parabéns à designer Angela Carvalho, idealizadora do Design na Praça pela iniciativa. E agradeço a ela e à designer Maria Clara Rezende pelo convite feito!

Registro fotográfico: Patrícia Acosta

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Oooos pirata!


Recebi hoje meu exemplar do livro Histórias da América Latina, de Silvana Salerno, publicado pela Editora Planeta do Brasil. Trata-se de uma coletânea de histórias folclóricas dos países latino americanos adaptados pela escritora, uma história para cada país, uma imagem de um ilustrador diferente para cada história.

Dentre o time de ilustradores convidados estão Jô Oliveira, Maurício Veneza, Orlando Pedroso, Cris Alhadeff, Cris Eich, Marilia Pirillo, dentre outros. A capa é do ilustrador Mauricio Negro, que também fez o caprichado projeto gráfico em parceria com Eduardo Okuno e também colabora com uma ilustração interna. Sinto-me honrado em participar de tão belo time.

Colaborei ilustrando a história O altar de ouro, oriunda do Panamá. Narra um suposto caso inusitado que teria ocorrido durante a real invasão do pirata britânico Henry Morgan à cidade do Panamá no século XVII. Me baseei nas pinturas de Caravaggio para dar um clima barroco à cena.
Agradeço à editora Otacília pelo convite!

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Amigo Secreto




Chegaram no finalzinho deste mês de fevereiro os exemplares da minha segunda parceria com Alcides Goulart e sua Editora Jovem. Trata-se do Amigo Secreto. Diferente de O grande segredo nessa obra o texto e ilustração tem uma integração maior no livro e pude trabalhar com todas as cores que me deixei permitir.
A história é sobre um garoto e sua relação com um amigo secreto que o leitor vai descobrindo quem é ao longo do livro. Tem um quê de Calvin & Haroldo, o que foi para mim uma boa oportunidade para viajar nas ilustrações, criando imagens que o garoto do livro com certeza imaginaria. 
Todas as ilustrações foram desenhadas a lápis e depois finalizadas com pintura digital e algumas aplicações de textura.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Salão de Piracicaba


Tive dois trabalhos selecionados para o 39° Salão Internacional de Humor de Piracicaba. Um na categoria caricatura (do deputado estadual Marcelo Freixo), outro no cartum temático intolerância. Ambos estão na exposição do evento a partir da abertura que foi nesse último sábado dia 25 de agosto. Foi para mim uma honra ser selecionado nesse que é um dos mais importantes e antigos salões de humor do Brasil. Agradeço ao grande professor André Leão pelas aulas de pintura digital, cujo aprendizado me proporcionaram avançar muito nessa técnica para executar esses trabalhos.